domingo, maio 27, 2007

Liberdade e Censura

O triste episódio do saneamento político de um professor na Direcção Regional de Educação do Norte é um indicador político e social importante, que merece aqui a minha atenção.
Primeiro que tudo é revelador dos tiques autoritários de Sócrates e o seus "muchachos", mostrando por um lado as suas simpatias totalitárias e por outro um certo pânico do "engenheiro" ao ver os pesos pesados do seu governo a abandonarem o barco (o último foi António Costa) e o pantano político ( de que falava Guterres) a instalar-se, gradual e irremediávelmente. Assim e apesar da maioria absoluta (que Guterres nunca teve) o governo de Sócrates revela ao fim de 2 anos de poder, os mesmos sintomas de arteriosclorose, que o governo PS de Guterres revelou ao fim de 6 anos e que conduziu ao desfecho político, que todos conhecemos. Este facto é revelador da grande medíocridade de Sócrates, na realidade muitos furos abaixo das capacidades e competências de Guterres. Sócrates, só ganhou a eleição, e com maioria absoluta, devido ao descalabro do PSD e ao tsunami Santana Lopes.
Em segundo lugar mostra em todo o seu esplendor a figura típica do funcionário "lambe botas", aqui representada pela Directora Regional de Educação, tentado desesperadamente ser mais papista que o Papa, agindo de forma absolutamente pidesca e não só suspendendo o professor que disse a piada, como colocando-lhe um processo em tribunal, por insulto ao primeiro ministro , imagine-se. Esta funcionária, de que eu me recuso a saber o nome, é hoje uma heroína do Ministério da Educação e certamente um forte candidata a uma futura promoçãozinha, para um cargo mais elevado e certamente mais bem remunerado. Essa promoção terá lugar daqui por uns meses, quando este assunto já tiver esfriado e caído no esquecimento dos "media".
Em terceiro lugar, menos falado, mas não menos importante, vem a mostrar o papel do "bufo", outro papel típico no "foclore" nacional e aqui protagonizado, pelo "amigo" a quem o professor suspenso contou a anedota e que imediatamente correu ao gabinete da Directora, para fazer as queixinhas. Realmente, com "amigos" destes, quem precisa de inimigos?
Este personagem é também um forte candidato ao prémio do melhor professor do ano, já que mostrou um zelo sensacional !!!
Assim vai Portugal !
A liberdade de expressão foi a última liberdade que sobrou à lenta e gradual eutanásia do 25 de Abril, mas mesmo essa está fortemente posta em causa !
Será que isto ainda é uma democracia ? ou será que a ditadura encapuçada, temperada com corrupção, indiferença e conformismo, se instalou sorrateiramente no nosso país ?

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Sem grande tempo(ou vontade) para escrever, deixo aqui um post lido no "Dragoscópio" que reflecte o meu pensar sobre a "matéria"

A Roda da Fortuna

Francamente, estou-me perfeitamente nas tintas para esse grande atentado contra a liberdade de expressão na DREN não sei das quantas. Se a senhora directora de não sei quê - nem me interessa, nem sei para o que serve, se é que serve para alguma coisa - que tem cartão rosa encetou uma perseguição política ao senhor professor requisitado que tem cartão laranja, acho muito bem. Direi mais: considero justíssimo. Enquanto o povinho avulso não acorda da letargia e desata numa perseguição política -de preferência à bordoada - aos possuidores todos -e são muitos - de tão coloridos cartões, o mínimo que se pode e deve categoricamente exigir é que tais parasitas vorazes se azucrinem e persigam uns aos outros. Todos os dias da semana e todas as semanas do mês. Sob o pretexto a, b ou c, é indiferente - para uma prioridade desta natureza qualquer pretexto é bom. Sim, ao menos que o voto sirva para alguma coisa. Que de tanto e persistente mal resulte algum bem. Que mamem, mas não mamem em paz. Que chupem, mas com desassossego, em sobressalto, com incerteza pelo dia de amanhã. Que contraiam não só tacho, úbere farto, mas depressão alternada, stress permanente. Que experimentem ciclicamente aquela roda da sorte a que os antigos romanos chamavam da Fortuna. Que se digladiem compenetradamente como lhes compete e fica apropriado, ou seja, à maneira das famílias de ratazanas tão bem estudadas por Lorenz. Assim sim, assim é que é democrático e o povo agradece. E já que tem que sustentá-los, lautamente, aos palhaços, ao menos que colha a parca retribuição de se rir deles.
Por isso, da próxima vez, senhora directora rosa, faça-lhe chegar a nota de suspensão acompanhada duma espalhafatosa tarte nas trombas. Ou duma cadeirada nos lombos. Tanta faz. A malta agradece. E cá fica a aguardar, em voluptuosa expectativa, pelo seu turno de ser também, hilariantemente, corrida a balde ou à mangueirada. Que diabo, o regime não há-de ter só defeitos!...



PS: E lembrou-ma agora outra enormíssima vantagem para estas perseguições políticas entre parasitas instalados: enquanto se ocupam em perseguições, emboscadas e minagens entre eles, não andam a subverter, a estupidificar e a poluir, com reformas peregrinas, a instrução dos filhos de todos nós.


PS2 : Mas, entretanto, tanta lágrima de crocodilo vertida só porque uma hiena mordeu num chacal.

Puta que os pariu a todos, digo eu.
Um grande abraço
RV

29/5/07 11:47  
Blogger JC said...

Desta vez discordo totalmente de ti.
É perfeitamente secundário, se o professor, o funcionário, ou o cidadão, tem cartão de um qualquer partido, clube o religião. O que está aqui em causa é únicamente a liberdade de ter uma opinião e dizê-la, sem que por isso sejamos perseguidos, ou prejudicados.
Quem sabe se o próximo não serei eu, ou tu ?
O problema aqui são os "lobos" disfarçados de cordeiros, os tiranos travestidos de democratas, alimentados e fortalecidos com a indiferença do Zé, que só se chateia realmente quando são os seus calos a ser pisados ...
A solidariedade e o altruísmo são palavras desaparecidas à muitos anos do seu dicionário !
Um abraço.

29/5/07 14:18  

Enviar um comentário

<< Home