quarta-feira, novembro 16, 2005

Aula de Substituição

Chegou a minha hora da maldita substituição. Com passo lento e testa franzida lá me dirigi para a sala, amaldiçoando mais uma vez o dia em que me meti nesta fantochada.
Chegado à sala, esperei pela funcionária, que traria o papel, que indicava qual a turma que me saíra na rifa . Quando olhei para o papel, fiquei de boca aberta e só não caí para o lado, porque já ando nisto há muitos anos e numa escola tudo pode acontecer.
No papelinho branco estava escrito o seguinte:
--- Professor a substituir : Ministra da Educação, Sala : gabinete da Av. 5 de Outubro, Lisboa.
Nem queria acreditar, mas logo tudo se confirmou. Parece que a dita senhora tinha acordado naquele dia com dor de corno, perdão de cabeça e tinha faltado ao serviço, deixando os doutores e funcionários do ministério, completamente desorientados, sem saber o que fazer … a ponto de já terem estalado motins, nalguns gabinetes, com funcionários revoltados em cima das secretárias, a queimarem baldes do lixo e a rasgarem despachos e decretos lei, que lançavam pelas janelas.
Esfreguei as mãos de contente, gritei “YES”, “YES” e parti para Lisboa a grande velocidade.
Ao chegar ao Ministério, o ambiente era de grande confusão, com a Polícia de Intervenção a isolar todo o edifício, bombeiros a extinguir os fogos e ambulâncias a evacuar os feridos.
Anunciei ao que vinha, entrei e logo tentei sossegar várias funcionárias histéricas. Depois dirigi-me à portaria e perguntei à funcionária:
--- Bom dia, sou o professor que vem fazer a substituição, qual é a tarefa ?
--- A senhora Ministra não deixou tarefa, gaguejou a mulher assustada, o senhor professor é que sabe, invente qualquer coisa, sei lá …
--- Esteja descansada, disse sorrindo para a mulher, sou português, cá me hei de desenrascar.
Subi ao gabinete ministerial, no último andar, pensando no que ia fazer.
Quando lá cheguei, cumprimentei a secretária e pedi-lhe para chamar o técnico de som do ministério.
O homem chegou pouco depois, com ar intrigado. Entreguei-lhe um CD, que trazia na minha pasta e disse-lhe: Ponha este CD a tocar através do sistema de som do edifício, é música ambiente, vai acalmar e relaxar todos os inquietos … costumo usá-lo nas minhas aulas e se funciona com os miúdos, também há-de funcionar com os graúdos!
Olhei o técnico, que saía do gabinete com passo hesitante, enquanto pensava : Será que vai resultar ? …
Então não é que resultou mesmo. Passados uns minutos, uma música calma e suave começou a soar ao fundo e pouco a pouco os barulhos, gritos e pancadas começaram a baixar gradualmente e as sirenes apagaram-se.
Só aí consegui sossegar um pouco enquanto pensava na minha próxima medida.
Sentei-me á secretária e puxei de um papel e comecei a escrever.
Fiz um despacho a revogar o anterior que criara as aulas de substituição e já agora, de caminho, revoguei também o outro, que decretara um aumento injusto das horas da componente lectiva.
Chamei novamente a secretária e mandei-a tirar cópias, para enviar para publicação no Diário da República e também para os vários sindicatos dos professores.
Enquanto pensava na próxima medida, ouvi a campainha:
TRimmmmmmmmmm …. Era o toque de saída, tinha acabado a minha hora de substituição. Que pena não ter durado mais um bocadinho, pensei.
Peguei na minha pasta e saí do gabinete. Despedi-me da secretária e da funcionária da portaria e voltei para a Escola.
Tenho que me apressar, pensei, a seguir é o 6ºB.

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Eh! Eh! essa possibilidade era mesmo gira! gostei da ideia.
paula ((( : )

18/11/05 18:31  
Blogger manuel castelo ramos said...

Demais, João! Bela ideia. Se fosse minha, remeti-a directamente pro mail da ministra! Ainda assim, vou remetê-la para alguns profs!

20/11/05 14:49  

Enviar um comentário

<< Home